Mediante à situação atual em que se encontra a raça humana, isto é, em um contexto de saturação de recursos naturais e matérias-primas, é preciso que métodos sejam criados para que haja uma substituição da utilização destes bens limitantes no planeta por bens “ilimitantes” para que todos esses tipos de materiais sejam mais bem aproveitados e utilizados de uma forma mais econômica.

   No exemplo da presente experiência, que se trata de fornos – que são, basicamente, receptores em um circuito elétrico, ou seja, recebem energia elétrica proveniente de um gerador e a transformam em energia térmica -, nós, responsáveis pelo projeto, estamos encarregados de apresentar uma dessas formas de substituição dos recursos usados no funcionamento dos fornos convencionais (recursos esses que são, principalmente, gás e energia elétrica). Juntamente com os recursos, há, também, mudanças na forma estrutural dos fornos propícias para o melhor aproveitamento de outro distinto e abundante recurso: a energia solar (ou luminosa).

   Essa derivação dos fornos é bem mais rentável e sustentável do que os fornos convencionais e popularmente conhecidos, pois essa utiliza uma forma de energia gratuita e abundante no meio externo do cotidiano, o que resulta em reduções dos gastos com a energia elétrica e muito mais.